Verão: época de gripes e resfriados nas escolas

Verão: época de gripes e resfriados nas escolas

Com a volta às aulas, as crianças ficam mais vulneráveis e os ambientes fechados, como as salas de aula, podem facilitar a transmissão das gripes e resfriados mesmo no Verão. Com o forte calor, muitas instituições de ensino optaram pelo ar- condicionado, e os pais e professores devem ter certos cuidados que podem ajudar no processo de prevenção e imunização.

“É importante lembrar que gripe e resfriado são coisas diferentes. A primeira afeta o indivíduo como um todo, enquanto o resfriado é uma manifestação localizada, que se expressa isoladamente nas vias respiratórias altas. Ambas são frequentes e a maior concentração de pessoas fechadas em um ambiente faz com que a possibilidade de um contágio seja muito maior, sobretudo se o ambiente for refrigerado”, explica o dr. Zan Mustacchi, diretor clínico do Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo.

O médico ressalta também a importância da prevenção. “As mães podem optar por um tratamento homeopático, sem efeitos colaterais e que é direcionado para cada criança, associado à higienização de vias aéreas e muita hidratação, principalmente porque o ar-condicionado deixa o ambiente muito ressecado”, recomenda o pediatra.

As escolas também podem ajudar incentivando as crianças a beberem água frequentemente, insistindo para que os alunos não coloquem as coisas na boca, como canetas e lápis e lavar as mãos com água e sabão. “Também é importante ensinar, desde pequeno, que, quando tossir, o correto não é colocar a mão na boca, pois ela acaba sendo a principal via de transmissão. Você tem que levantar o braço e dobrar o cotovelo, tossindo na parte interna”, indica.

O contato diário também aumenta o risco de transmissão, porém existem formas que podem ajudar nos processos de imunização das crianças, como uma alimentação adequada. “Outro erro é a manipulação de instrumentos. No Verão as pessoas ficam mais próximas e acabam utilizando a mesma colher, garfo, canudos, dividem o mesmo copo e isso é um grande erro que facilita a transmissão”, alerta dr. Zan.

Deixe um comentário

*