‘Toma lá, dá cá’ está institucionalizado

A vergonha nacional continua e está cada vez mais acentuada nas mãos do PT e de sua grande responsável, a presidente Dilma Rousseff.

Vejam como as coisas funcionam no País e ainda querem que o mundo nos veja como um “país sério”, promissor, e que merece altos investimentos, como se já não bastassem todos os escândalos que nos têm envergonhado tanto.

Com um déficit fiscal acumulado, em razão da incompetência da sra. Dilma de gerir o Brasil, surge a impossibilidade de se cumprir a economia mínima para o pagamento de juros da dívida pública, prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias em vigor, de R$ 49 bilhões. A equipe econômica, chefiada e coordenada pelo “sargentão” Dilma Rouseff, enviou ao Congresso um projeto de lei permitindo, desavergonhadamente, que sejam descontados da meta todos os gastos com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do qual ela é mãe, segundo Lula. Ou seja, o PAC e as desonerações fiscais foram uma grande jogada eleitoreira dela, do PT e do Lula para “enganar trouxa” e ganhar votos.

Claro que tudo isso ganha votos, mas tem um preço. E o preço é o de descumprir a lei. Contudo, se eles são os mais altos mandatários do País, por que punir os demais que descumprem a lei? Vamos descumpri-la, já que o exemplo vem de cima.

Na prática, essa medida, ora aprovada na “marra” e a troca de concessões especiais aos parlamentares abrem uma brecha  para que a legislação seja dada como alcançada, cumprida , mesmo em caso de um resultado fiscal negativo ao final do ano, ou seja, é a esculhambação total, é a desmoralização completa e irrestrita do governo.

O PMDB foi a grande força para aprovar essa medida contra a ferrenha oposição dos demais partidos, para demonstrar que sem ele o governo não governa e com isso, é preciso lhe garantir espaços no novo governo que se iniciará já totalmente manchado por essa mácula indelével da “sacanagem” pura e de enganação total.

Foi por isso mesmo que lutamos e mais 50% dos brasileiros lutaram, porque sabiam do que iria acontecer. Não há um fato reprovável do qual o PT e seus mais altos dirigentes e correligionários não façam parte.

Marina Silva disse: “governo perde respeitabilidade”. Aliás, Marina, ninguém perde o que não tem. O governo de há muito não tem respeitabilidade, porque não tem vergonha nem para fazer um descalabro desses. Um “toma lá, dá cá”, vendendo a alma ao “diabo”. Para salvar-se, o governo muda a regra do jogo nos estertores, aos 90 minutos de partida, sem dar chances à reação.

O governo gasta demais e agora altera a regra para não ser punido. É o mesmo que em meio a uma partida de futebol, no momento em que um time faça um gol impedido, a regra seja mudada, só para beneficiá-lo, validando o gol.

A grande imoralidade, além da mudança da regra, é sem dúvida condicionar a liberação de emendas para os parlamentares em troca da aprovação de seu projeto.

Não bastasse tudo isso, agora, em busca de votos, ao dar liberdade aos imigrantes legais para que votem, o prefeito Haddad acaba de promover uma campanha para informar a estrangeiros legais sobre seus direitos de participar do Cadastro Único e receber a famigerada “Bolsa Familia”. É a festa com o nosso dinheiro. Isso porque ele acaba de aumentar o IPTU, dizendo que isso não significa nada perto dos outros impostos, sob o pretexto de que precisa do dinheiro. Além disso, cria mais uma fonte de despesas e não para os brasileiros, mas para os estrangeiros. Nada contra os mesmos, mas e os brasileiros que estão na mendicância total nas ruas, eles têm o “Bolsa Família”?

Deixe um comentário

*