Síndrome do desfiladeiro torácico

A Síndrome do desfiladeiro se define como sintomas de membros superiores devido á compressão do feixe neurológico e ou vascular na área do desfiladeiro torácico.

O desfiladeiro é uma região anatômica localizada na região compreendida entre o pescoço e o tórax por onde passam os nervos do plexo braquial (que inervam e dão sensibilidade ao membro superior e região do pescoço), artérias e vasos sanguíneos (que nutrem e drenam os membros superiores e parte da região do pescoço).

Os principais pontos de compressão que podem levar a sintomas são:

1) Compressão no triângulo do músculo escaleno (síndrome dos escalenos), a compressão pode ser arterial ou nervosa;
2) Compressão entre a clavícula e a primeira costela (síndrome costo clavicular);
3) Compressão pelo tendão do músculo peitoral menor;
4) Compressão por “costela cervical” (compressão vascular ou nervosa por anomalia congênita das vértebras cervicais;
5) Compressão por traumas.

A síndrome por compressão nervosa apresenta sintomas como dor na face interna do braço e antebraço, parestesias (dormência e formigamentos nas mãos. Estes sintomas podem piorar com o esforço físico e principalmente a noite.

A síndrome de compressão arterial é caracterizada por apresentar isquemia (diminuição da circulação) no membro superior. O paciente apresenta cansaço durante atividades com o membro superior (principalmente quando estão elevados), palidez e mãos roxas em alguns movimentos do braço.

Geralmente os sintomas não são muito específicos e vários quadros neurovasculares podem ser confundidos com a síndrome do desfiladeiro, por isso são necessários exames específicos.

A síndrome do desfiladeiro torácico é mais comum em mulheres (compressão neurogênica) enquanto a compressão venosa é a mais comum em homens.

Dr. Edimilson Marton – especialista em RPG – Crefito 12.346/F
Rua Serra de Bragança, 1.355, Tatuapé, fones: 3628-2125 e 3628-2129

Deixe um comentário

*