Saiba o que é Ler e como tratá-la

Saiba o que é Ler e como tratá-la

Muitas pessoas sentem dores e incômodos nos braços, punhos, cotovelos e ombros, mas não sabem o motivo. Pensam que se trata de uma dor passageira ou algum mau jeito momentâneo. O fato é que essas dores contínuas podem ser sintomas da LER – Lesão por esforço repetitivo – que consiste em uma síndrome que afeta os membros superiores, “com queixa de grande incapacidade funcional, causada primariamente pelo próprio uso de mãos e braços em tarefas que desenvolvem movimentos locais ou posturas forçadas”, completa o ortopedista Ulisses dos Santos.

DIAGNÓSTICO
O quadro de inflamação local quando não tratado, pode levar ao diagnóstico de LER. As vítimas mais comuns são os trabalhadores braçais que usam abusivamente dos membros superiores para uma atividade que se repete constantemente durante os dias e os atletas de determinados esportes como os jogadores de tênis e golfe.

Segundo Ulisses, “exemplos de lesão por esforço repetitivo podem ser desde uma tendinite em um digitador ou até mesmo uma epicondilite num atleta”. O médico completa que existem outros diagnósticos quando se trata desse tipo de problema como, por exemplo, tendinites e tenossinovites primárias ligadas a fatores como reumatismo, esclerose sistêmica, gota, infecção gonocócica, traumática, osteoartrite, diabetes, mixedema entre outras.

É POSSÍVEL EVITAR?
A principal dica é a prevenção, ou seja, evitar fazer qualquer esforço repetitivo. Em todos os casos, medidas locais, como o alongamento e a crioterapia – técnica na qual se aplica baixas temperaturas em regiões locais do corpo são fundamentais para a prevenção.

É recomendado ainda a procura de um médico para uma avaliação e auxílio no tratamento, que varia de paciente para paciente.

Para o especialista, é importante destacar que uma vez feito o diagnóstico de quadro de LER, e por se tratar de algo crônico, o tratamento leva algum tempo, e muitas vezes o quadro se agrava devido a demora do paciente até procurar um médico especialista.

Deixe um comentário

*