Petrobras

Cálculo apresentado durante a reunião do Conselho de Administração da Petrobras realizada na terça-feira, dia 27 de janeiro, indicava a necessidade de uma baixa contábil de R$ 88,6 bilhões nos ativos da companhia referentes às perdas com corrupção ligadas à operação Lava-Jato. O número aparece em comunicado da presidente da estatal, Graça Foster. Segundo ela, no entanto, a metodologia usada não foi considerada adequada. Com dois meses de atraso, a Petrobras divulgou na madrugada do dia 28, o balanço do terceiro trimestre de 2014. Por duas vezes a companhia adiou a divulgação informando que os dados precisavam ser ajustados para as perdas decorrentes das denúncias de corrupção.

Deixe um comentário

*