ITAQUERA – Será que a Prefeitura não vê?

ITAQUERA – Será que a Prefeitura não vê?

A comunidade existente sob o Viaduto Ladeira do Xisto, em Itaquera, continua aumentando e começa a preocupar pedestres que caminham pela passarela e motoristas que passam em cima do viaduto. Isso porque as pessoas se sentem inseguras em caminhar pelo local e serem abordadas, principalmente quando começa a escurecer. Com relação aos condutores de veículos, o medo maior é o de um incêndio que possa comprometer a ponte. São vários barracos de madeira e alvenaria, mas vários fios podem ser vistos sobre os telhados das casas.

FALTA HIGIENE

No terreno sob a ponte pode ser vista uma grande quantidade de lixo, objetos inservíveis e material reciclável, como caixas, restos de material de construção, armários, entre outros. A situação de higiene também é precária, pois não há nenhum tipo de saneamento. Muitas vezes os moradores acabam utilizando a água do córrego Jacu-Pêssego para algumas necessidades.

VARAL

O muro que protegia a entrada dos baixos do viaduto está quebrado há tempos e não há nenhuma mobilização por parte da Subprefeitura Itaquera para reconstruí-lo. Com isso, o acúmulo de objetos no lugar é cada vez maior. Sem contar o pavor dos pedestres em ter de atravessar a passarela. Uma das famílias já está tão habituada de viver no espaço, que um antigo alambrado usado para fechar o terreno serve como varal para roupas. Além disso, o proprietário divulga a atividade de comércio de ferro-velho.

PROBLEMA ANTIGO

Não é de agora que as secretarias de Habitação e de Assistência e Desenvolvimento Social enfrentam desafios na região. No período da Copa, em 2014, a organização do evento fez questão de “blindar” os turistas da possibilidade deles chegarem à Comunidade da Paz, instalada a cerca de 300 metros do estádio do Corinthians. Passado o período de festa, a Prefeitura fez um acordo com os moradores para que eles fossem transferidos para imóveis do programa Minha Casa Minha Vida. Porém, dois se passaram, a atual administração está chegando ao fim, e as pessoas permanecem vivendo precariamente, apesar de terem recebido água encanada e relógios de luz.

LIMPEZA

Diante desse fato, o que irá ocorrer com a população que habita sob o viaduto na ladeira? Para quem reside em Itaquera e caminha pelo bairro, a primeira ação deveria estar relacionada à limpeza, com a retirada do material inflamável. Outra questão está ligada à saúde de quem vive na “Comunidade do Xisto”. Renata de Oliveira relatou estar preocupada com o avanço dos barracos e casas de alvenaria. “Infelizmente, sem alternativa de moradia digna, as pessoas acabam ficando e quando a Prefeitura tentar tirá-las de lá a dificuldade será muito maior. Enquanto isso, quem mais sofre são as crianças e os idosos com a falta de condições sanitárias”, pondera.

Deixe um comentário

*