Difícil situação

Sr. redator:
“A educação é a propulsora do desenvolvimento. Atua não só no coletivo como está intrinsecamente ligada à construção do próprio indivíduo. Para o educador Paulo Freire, é o único caminho para a transformação da sociedade. Quanto mais as pessoas estudarem, mais oportunidades terão no mercado de trabalho. Alguém que conclui um curso de pós-graduação tem 422% mais chances de conseguir um emprego do que uma pessoa analfabeta, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Uma boa educação também melhora as condições econômicas de um país, pois os indivíduos consomem mais e dependem bem menos das políticas sociais. A educação é capaz, ainda, de diminuir os índices de violência, promovendo a igualdade social.

Apesar das benesses, a cada estatística anunciada, existe uma decepção quanto à qualidade de ensino. Em São Paulo, o Estado mais rico da federação, quatro em cada dez alunos chegaram ao fim do ensino médio na rede estadual sabendo menos do que o básico em língua portuguesa, segundo os Índices de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo. Os resultados são analisados a partir da pontuação dos alunos nas provas de português e matemática do Saresp, que foram medidos em quatro níveis: abaixo do básico, básico, adequado e avançado.

A proporção de alunos que ficaram no pior nível aumentou em 2013, em relação ao ano anterior: 39,6% contra 34,4%. Em matemática, o índice dos estudantes no nível mais baixo caiu, mas continua em um patamar altíssimo: de 55,8% em 2012 para 55% em 2013. Segundo dados do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes): entre 65 nações, o país está em 55º lugar em leitura; 58º em matemática e 59º em ciências.”

Luiz Gonzaga Bertelli

Deixe um comentário

*