ACESSIBILIDADE: Morador fica indignado com a falta de respeito

ACESSIBILIDADE: Morador fica indignado com a falta de respeito

Indignado com a falta de acessibilidade em vários pontos do bairro, o morador Alberto Cardoso, da Rua Pinhalzinho, no Carrão, pediu que a Subprefeitura Aricanduva/Formosa/Carrão volte seus olhos para a Rua Altair, na mesma região. Segundo ele, trata-se de uma via sem saída que liga a Rua Pinhalzinho à Avenida Radial Leste. No entanto, pessoas que utilizam cadeiras de rodas enfrentam vários problemas.

BURACOS
Um deles está relacionado ao fato de um trecho da rua ainda ser de paralelepípedo. “O piso dificulta o trânsito da cadeira e, em dias de garoa ou chuva, fica escorregadio”, lembrou Cardoso. Outro problema diz respeito às calçadas, que são mais estreitas e esburacadas de um lado da rua. A terceira e última questão, mais grave, está ligada à falta de rampas no final da Rua Altair.

“CADEIRANTE”
Conforme o morador, todos os dias ele vê uma pessoa “cadeirante” ser ajudada, por um parente ou amigo, para atravessar todos os obstáculos da rua e, antes de chegar à Radial Leste, ainda ter de ultrapassar mais quatro degraus de escada. “Nesta hora é necessário chamar quem passa pela rua para poder erguer a cadeira, pois é a única maneira da pessoa chegar ao ponto de ônibus para ir trabalhar”, ressaltou.

SOLICITAÇÃO
Para Cardoso, é impressionante como uma rua com cerca de 150 metros pode causar tantos transtornos, já que o caso é aparentemente de simples solução. “Há cerca de um mês registrei a solicitação nº 12495996 na subprefeitura, porém, até agora nada foi feito”, comentou.

IDOSOS
E apesar da reclamação do morador parecer ser a única, outras pessoas repercutem a mesma questão em outros locais. O estudante Vinicius Santos disse passar pelo acesso à Radial na Rua Antonio Lindouro da Silva, na Penha, e não há rampa. “Inclusive a escada é bem alta, dificultando até os mais idosos, pois nem todos conseguem subi-la”, relatou.

ENTULHO
O mesmo acontece nas ruas Guaperuvu e Monsenhor Francisco de Paula, no Aricanduva. Por fim, a Rua Professor Miguel Russiano, no mesmo bairro, além de ter uma escadaria junto à Radial, é de paralelepípedo, tem um declive acentuado e ponto viciado de depósito de entulho. Isto demonstra que a campanha em defesa da acessibilidade na cidade ainda não progrediu como deveria. Sendo assim, a falta de obras simples para a Prefeitura deixa de ajudar uma grande parcela da população.

Deixe um comentário

*