A melhor defesa é o ataque

Quem não conhece essa frase? Quem gosta de futebol já a ouviu centenas de vezes. Na política do PT não é diferente. Assim que se sentem acuados, partem para o ataque, e sempre dizendo: eles fizeram, porque não podemos fazer?

Mal-intencionados são sempre assim; ao invés de seguir os bons exemplos para fazer melhor, buscam os maus exemplos e com eles se defendem.

Claro que ninguém está feliz com o que fez o pessoal da maracutaia do “cartel dos  trens em São Paulo, Brasília e o Porto de Suape, em Pernambuco”, e que envolve a gente do PSDB, do PSB e de outros PSs que são da oposição a este famigerado governo, com uma única e grande diferença, ou seja, ninguém está fugindo à responsabilidade, muito pelo contrário, estão querendo a apuração dos fatos para que os responsáveis paguem e não dando desculpas esfarrapadas e negando tudo, como se a imprensa fosse a culpada e a criadora dos casos.

A questão é que a coisa está ardendo muito nos pés dos petistas, especialmente de sua grande chefe e do cacique maior. Eles pegaram a Petrobras como a quarta maior empresa do mundo, acusaram o Fernando Henrique e seguidores de tentar privatizá-la e acabaram com a Petrobras neste últimos anos de governo, lançando-a ao ostracismo e à desgraça.

Serviram-se dela para promover-se, especialmente com relação ao pré-sal, de quem nem mais se ouve falar. Criaram o maior cabide de altos empregos, fizeram todo tipo de negociatas e culminaram com o caso da Refinaria de Pasadena, o grande estopim, que imaginavam nunca seria acesso e, o foi, quase nos estertores do mandato da senhora  Dilma, mas, felizmente, ainda o foi com tempo necessário de desmascarar essa farsa que tem sido o governo do PT.

Neste momento, quando a oposição se movimenta para a abertura de uma CPI que, convenhamos, não dará em nada, pois quem deve investigar é a polícia e o Ministério Público, a tropa de choque do PT protocola um requerimento de uma CPI mista para investigar igualmente as irregularidades do cartel dos trens. Nada contra, deve mesmo ser investigado, mas cada um a sua vez; misturar os dois é não chegar a lugar algum, nem favorece o PT, que poderia ser um bom argumento de campanha, nem a oposição, pois, com certeza, será um fogo cruzado, onde muitos acordos surgirão e nada será realmente descoberto.

A tática, sempre sorrateira do PT, é que essa nova CPI passe pela comissão de Constituição e Justiça do Senado e a tendência é que ela seja aceita, e recusada a CPI exclusiva de Pasadena e da Petrobras e, lógico, o controle ficaria com o governo, então, nem precisa falar mais nada, mais uma letra morta, mais uma CPI que não chegará a lugar nenhum e tudo terminará, como sempre terminou, em pizza, já que esse é o interesse do governo – acobertar mais uma falcatrua.

Uma pena, essa era a grande chance de jogarmos de vez no lixo, todo esse entulho de corrupção que tem sido este governo. É bem verdade que, como sabemos, pouca influência teria para as eleições, pois o governo tem nas mãos a “caneta” e, ao menor aperto, é só aumentar o valor do “bolsa família” ou ampliar a base, aumentando o número de eleitores. Com isso, certamente ninguém ganha do governo, mesmo porque, como diria o grande cacique: “o povo é que decide, e estaria dando pouca importância a isto”.

O caso da Refinaria de Pasadena foi descoberto. Mas quantos outros mais existem? São vários anos de desmandos e corrupção, tudo acobertado pelo “tudo pelo social, tudo pela inclusão social”, como se isso fosse solução para todos nossos problemas.

De que adianta a “inclusão social”, se a cada dia mais a pessoa está excluída do mundo, pois mantém-se isolada em razão de seu analfabetismo completo. A inclusão se faz pelo conhecimento, cultura, não apenas pela “barriga”. Ter o que comer, claro, é fundamental, mas não é tudo. Tão importante é ter conhecimento e compreender as coisas, ser voz ativa, poder discutir e incluir-se entre os que podem realmente colaborar com o crescimento sustentado do País. Isso é inclusão, o resto é balela, é conversa mole para boi dormir, é mentira, enganação…

Deixe um comentário

*