A importância do leite materno

A importância do leite materno

“O leite materno merece atenção especial por conter todos os nutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento adequado dos pequenos”. A afirmação é da nutricionista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Ariane Braz Antonio. Durante a Semana Mundial da Amamentação, ocorrida entre 1º a 7 de agosto, a especialista revelou que a substância é melhor digerida, quando comparado a outros leites.

Confira as dicas para não errar na hora de planejar a alimentação dos recém-nascidos.

A importância desse alimento está relacionada, sobretudo, às substâncias encontradas nele. Entre elas, de acordo com Ariane, estão carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas (A, D, E, K, C e complexo B) e minerais (cálcio, ferro e zinco). “Todos altamente biodisponíveis, ou seja, são absorvidos facilmente pelo organismo dos bebês.” Além desses nutrientes já citados, é possível encontrar também imunoglobulina, que ajuda na imunidade, o que os protege de infecções.

No peito, a amamentação deve respeitar alguns critérios. A prática deve ser adotada de, no mínimo, 6 meses a, no máximo, 2 anos. “A partir do sexto mês, as crianças já podem experimentar novos alimentos. Isso porque, depois dessa idade, é necessário inserir outras substâncias para que o aporte de calorias e nutrientes seja complementado. É uma forma de colaborar para que as necessidades da criança sejam supridas”, revela a nutricionista.

Nesse momento, os pais podem incluir no cardápio todos os tipos de legumes, frutas e vegetais. No entanto, as novidades devem ser oferecidas, separadamente, para que a criança conheça o sabor de cada um. “Lembrando-se de que, se ela fizer careta, isso não quer dizer que não gostou do alimento. A expressão pode ser apenas porque está reagindo a um novo sabor.”

A indicação de Ariane é oferecer entre 10 a 12 vezes a nova comida, o tempo necessário para que os pequenos avaliem se gostaram ou não. “Nessa fase da vida é que formamos os hábitos alimentares, então não é recomendado acrescentar açúcar, sal e alimentos industrializados, pelo menos, durante o primeiro ano de vida.”

Deixe um comentário

*